Central de Notícias

Notícias Notícias AESUL

Fase Notícias

Audiência Pública na Assembleia Legislativa debate ampliação do Simples Nacional
25  NOVEMBRO  2015 

Audiência Pública na Assembleia Legislativa debate ampliação do Simples Nacional

No dia 23 de novembro o Vice-Presidente Jurídico da AESUL, Mario Koller Júnior, acompanhou a Audiência Pública na Assembleia Legislativa que debateu o PLC 125/2015, que amplia, simplifica e estimula o crescimento dos optantes do Simples nacional. A Senadora Marta Suplicy, relatora do projeto, Guilherme Afif Domingos, Presidente do Sebrae, o Deputado Federal Jorginho Mello, Presidente da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa na Câmara dos Deputados, e os deputados estaduais Itamar Borges e Caio França, Presidente e Vice-Presidente da Frente Parlamentar do Empreendedorismo da Assembleia Legislativa, compuseram a mesa de trabalho.

Na abertura do encontro, o presidente da Assembleia Legislativa, Deputado Fernando Capez, disse que esse espírito empreendedor que norteia a proposta de simplificação da tributação para micros e pequenas empresas tem inspirado os trabalhos da Parlamento paulista. "Esta audiência tem o objetivo de estimular a criatividade, o empreendedorismo e o crescimento da produção", declarou. 

A Senadora Marta Suplicy disse que o Simples Nacional, criado em 2006, diminuiu a informalidade em 25%. Mais de 10 milhões de empresas adotam o sistema ao lado de outros 5 milhões de microempreendedores individuais (MEI). No total, o Simples responde por uma arrecadação de R$ 620 bilhões. "O grande desafio agora é superar o medo que as empresas têm de crescer", disse a Senadora, destacando que as mudanças de faixa hoje existentes na regulamentação do Simples desestimulam muitas empresas a ultrapassar determinados patamares de faturamento, pois assim passariam para faixas superiores de tributação. 

Arrecadação e emprego 

A relatora do projeto também destacou que a proposta dá um salto gigantesco ao que existe atualmente. Ela pondera que o Simples eleva a arrecadação de todos os entes da federação e que as micros e pequenas empresas são as que sustentam o crescimento do mercado de trabalho. "O setor contribui de forma expressiva para o saldo positivo de empregos em todos os setores", disse a senadora, com base em informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). "É graças ao desempenho das micros e pequenas empresas que o país mantém vem mantendo os níveis de emprego formal". 

Guilherme Afif Domingos disse que o Projeto de Lei Complementar 125/2015 nasceu de estudos desenvolvidos por várias instituições de pesquisa em 2014, período em que esteve à frente da Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa. A proposta foi apresentada neste ano ao Congresso Nacional, depois de ser sistematizada. Aprovado pela Câmara dos Deputados, o projeto tramita agora no Senado. "Em todo esse processo, não houve contestações. Porém, agora, a Receita Federal faz uma mobilização para colocar os prefeitos contra a proposta", disse Afif Domingos. 

Segundo o Presidente do Sebrae, os municípios não perdem com a simplificação, quem perde é a burocracia da máquina tributária. "Nosso projeto simplifica e traz mais arrecadação, pois facilita o sistema de tributação. O cidadão do Simples é nacional, paga os tributos de uma só vez, e a arrecadação é distribuída entre os entes federados. Simplificação. Ninguém aguenta mais a complexidade dos tributos. Quando todos pagam menos, os governos arrecadam mais", concluiu. 

Afif Domingos fez um alerta. "As micros e pequenas empresas representam segurança para a arrecadação e para o nível de emprego, entretanto, em outubro, o segmento fechou 49 mil vagas. Existe uma crise econômica, calcada em uma crise política, que pode se transformar em uma crise social. É como uma represa na iminência de se romper", comparou o presidente do Sebrae, que cobra do Senado a aprovação do projeto ainda neste ano.

A proposta                                                                                                           

Um dos pontos mais importantes do Projeto de Lei Complementar 125/2015 é a redução do número de faixas de tributação das empresas enquadradas no Simples, de vinte para sete. Atualmente, existem 20 faixas de tributação (a primeira até R$ 180 mil e a última entre R$ 3,42 milhões e R$ 3,6 milhões), e a progressão se dá de acordo com o crescimento da receita. A proposta que tramita no Senado diminui as faixas de tributação para apenas sete (a primeira até R$ 225 mil e as demais em progressão até o limite de R$ 14,4 milhões) e suaviza a passagem de uma faixa para outra. Ou seja, o Simples passa a ter uma rampa suave por meio da tributação por faixas, igual ao modelo do imposto de renda da pessoa física. A nova alíquota decorrente do aumento da receita somente incidirá no que exceder a faixa anterior. A medida incentiva o crescimento das empresas. 

Outra novidade é a criação de regime de transição para a saída do Simples. Hoje, as empresas do comércio que saem do Simples por terem excedido o limite de receita têm aumento de 54% na carga tributária. Na indústria, o aumento é de 40% e nos serviços, 35%. A revisão de faixas permite aproximar de forma suave a saída do Simples da carga tributária do Lucro Presumido, criando um regime de transição necessário para tornar o modelo mais racional. A situação atual incentiva a adoção de subterfúgios e ocasiona perda de eficiência das pequenas empresas. 

O projeto também trata do aumento do limite para o MEI de R$ 60 mil para R$ 72 mil; da criação da Empresa Simples de Crédito, novo instrumento de crédito que permitirá a qualquer cidadão organizado como empresa emprestar seus recursos aos pequenos negócios do seu município; a criação de Refis para as micros e pequenas empresas, possibilidade de parcelamento das dívidas tributárias em até 180 vezes, com critérios utilizados para grandes empresas (redução de multa e juros); a possibilidade de pagamento do INSS e FGTS em uma única guia, juntamente com o Simples; ampliação do regime do MEI aos agricultores familiares; e facilitação de exportação, com simplificação burocrática e redução de taxas, entre outras. 

Participaram da audiência empresários, deputados federais e estaduais, secretários municipais de desenvolvimento econômico, vereadores, dirigentes empresariais, agentes de crédito e representantes de ONGs. 

O Presidente da Frente Parlamentar do Empreendedorismo, Itamar Borges, ressaltou a importância da Audiência Pública e a necessidade de que o projeto seja aprovado pelo Senado ainda neste ano, pois se trata de um setor que tem mantido os níveis de emprego, apesar da grave crise.

Fonte: http://www.al.sp.gov.br/noticia/?id=368716

 

Galeria

Audiência Publica Simples Nacional

Eventos

Workshop "O Líder na nova Economia"

24/07/2018

Mega Rodada de Negócios AESUL

20/07/2018

Treinamento Mídias Sociais

18/07/2018

Palestra "O Impacto do e-Social na sua Empresa"

28/06/2018

Vídeos

Assine nossa Newsletter

Galeria